Críticas, sugestões de pauta e parceria comercial: 
Whatsapp: 92 3667-4126 / 99248-8080​
Ou via e-mail: mail@blogdaamazonia.com
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Flickr
  • Preto Ícone SoundCloud
Copyright © 2017-2020. AMAZÔNIA COMUNICAÇÃO E EVENTOS LTDA. - Todos os direitos reservados.
CNPJ (MF) 28.140.273/0001-50
  • Redacão

Adolescente pode ter forjado o próprio suicídio pra viajar para Fortaleza com amigos

Manaus | A adolescente Joany Martins, de 15 anos, está desaparecida desde o dia 25 de julho de 2019. Ela foi vista pela última vez na Ponte Rio Negro por um casal que alegou ter presenciado o momento em que ela se jogou. Após acionarem a polícia, foi encontrado apenas uma bolsa e o par de sandálias que pertenciam a ela.

Familiares de Joany voltam a procurá-la seis meses depois do desaparecimento após a mãe recebeu informações de que a filha poderia ter forjado o próprio suicídio e que estaria atualmente morando em Fortaleza, no Ceará, (a 5546 km de Manaus) com amigos. A mãe da adolescente contou para a equipe de reportagem do Manaus Alerta, que a filha pediu várias vezes para viajar, mas nunca permitiu por ela ser menor de idade. Um dia antes do seu desaparecimento elas brigaram, até que no dia seguinte Joany desapareceu. Ainda de acordo com a mãe, Joany não apresentava ter nenhum sintoma de alguma doença psicológica e que ela estava passando por uma fase de rebeldia dentro de casa. “Ninguém podia falar absolutamente nada pra ela que ficava logo com raiva e saía dizendo que todo mundo se metia na vida dela e que eu não deixava ela fazer nada”, comentou a mãe. A mãe pede ajuda para que encontrem a filha, já que ela acredita que o suicídio tenha sido realmente forjado. “Ela queria viajar com uns amigos que não conheço. Ainda tem esse casal que viu ela se jogando, que uma hora disseram que viram ela caindo, outra hora disseram que viram ela correndo. Não tem como saber a verdade”, concluiu. O corpo de Joany nunca foi encontrado. A família continua investigando o caso e o paradeiro da jovem com a ajuda da DEPCA (Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente).

1,185 visualizações