Críticas, sugestões de pauta e parceria comercial: 
Whatsapp: 92 3667-4126 / 99248-8080​
Ou via e-mail: mail@blogdaamazonia.com
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Flickr
  • Preto Ícone SoundCloud
Copyright © 2017-2020. AMAZÔNIA COMUNICAÇÃO E EVENTOS LTDA. - Todos os direitos reservados.
CNPJ (MF) 28.140.273/0001-50
  • Redacão

Falta de cateter umbilical na Maternidade Balbina Mestrinho coloca em risco a vida de crianças

Recém-nascidos que precisam da administração de algum medicamento injetável ou até mesmo de alimentação pela veia umbilical, correm risco de morte na Maternidade Balbina Mestrinho. O cateter umbilical, equipamento necessário para esse tipo de procedimento quando o bebê nasce com algum problema de saúde, está em falta na unidade.

Denuncia anônima encaminhada ao Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) informa que a falta de cateter umbilical está colocando em risco a vida dos recém-nascidos e prejudicando os profissionais que fazem o atendimento na Maternidade Balbina Mestrinho, localizada no bairro Praça 14, Zona Sul de Manaus. Específico e necessário para garantir o acesso venoso no tratamento de recém-nascidos prematuros e dos que possuem patologias que demandam cuidados intensivos neonatais, o cateter umbilical facilita a administração de medicação e alimentos, sendo introduzido pelo cordão umbilical da criança, importante para a sobrevida. Diante da falta do cateter, pediatras neonatologistas da maternidade estão sendo prejudicados e enfrentam dificuldades para obter o acesso venoso. A solução emergencial é a presença do cirurgião geral para realizar uma dissecção de veia, procedimento muito mais agressivo contra um bebê recém-nascido, aumentando os riscos de complicação. O presidente do Simeam, Dr. Mario Vianna recebeu a denúncia com espanto e lamenta que o caso seja uma realidade na unidade que é referência no acolhimento de gestações de alto risco. “Faltar cateter umbilical numa maternidade é o mesmo que não ter oxigênio no centro cirúrgico. Isso é muito grave, inaceitável a falta de um insumo básico numa unidade materno-infantil”, avaliou Mario Vianna. A assessoria jurídica do Simeam vai encaminhar a denúncia por meio de ofício para os órgãos responsáveis e cobrar medidas para a solução do problema que, além de colocar em risco a vida das crianças, compromete os profissionais que atuam na ponta, sendo muitas das vezes, apontados como autores de violência obstétrica e crimes contra a vida.

324 visualizações